Invernal

Neblina fria inebria,
óculos na nuvem embaçam –
amanhece o inverno.

Continuar lendo

Quinze de junho

Os olhos se põem
como sol na janela aberta
pelo vento outonal.

Continuar lendo

Ouvir estrelas

Para ouvir as estrelas, muitas vezes desperto e abro as janelas, pálido de espanto. Elas não apenas falam, elas gritam, elas cantam. Cantam um canto novo que se liberta no universo de suas cordas vocais depois de tanto tempo sendo mantido escravo de si, acreditando que possuía um brilho próprio.

Continuar lendo

O senão do blog

Começo a arrepender-me deste blog. Não que ele me canse (e cansa bastante); eu não tenho pouco o que fazer e, realmente, expedir algumas magras reportagens ou crônicas para este mundo sempre é uma tarefa que me distrai um pouco da mortal eternidade.

Hoje, o Reticência Jornalística completa meia década de existência e por muitas vezes, como as memórias póstumas de Brás Cubas, cheirou a sepulcro e trouxe uma certa contração cadavérica – um vício grave. Contudo, desistir de continuar não parece um destino, falar demais é um defeito que eu levo.

Continuar lendo

Em busca da terra do talvez

O Mayombe é uma grande floresta tropical com grande concentração de montanhas que localizada em Cabinda, em Angola, mas também abrange o Congo e o Gabão. É esse local o cenário principal que dá nome a um dos livros de Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, o Pepetela.

Vencedor do Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa, o escritor retrata no livro especialmente os problemas internos do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), do qual ele próprio participou, e que é o grupo que conduziu a revolução pela independência do país e o governa desde então.

Continuar lendo