Abrasileirá-la-ei

A gramática é o mundo
que esqueceu de girar
em torno de si.

Continuar lendo

Ouça, Gregório

Muita gente resolveu responder ao seu texto, algumas criticando, mas a maioria elogiando e usando isso como base para falar de seus próprios relacionamentos passados, presentes e até futuros. Eu também tenho algumas coisas para dizer, mas o título não será “Desculpe o transtorno, preciso falar de”. Não é um transtorno falar da pessoa que eu amo.

Muito pelo contrário.

Conheci a Bruna na escola. Já contei aqui. Essa história pode parecer romântica se você imaginar um casal que se apaixonou na escola, quando adolescente, e seguiu a vida inteira de mãos dadas. Mas, na verdade, a gente pouco se olhava na cara naquela época. As amigas dela eram insuportáveis e eu sempre fui adepto do “tudo pela bagunça”.

Continuar lendo

Semiótico

Ascendente iconográfico:
amor é apenas um signo,
índice simbológico da vida.

Continuar lendo

Os golpistas

“O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. O que Deus quer é ver a gente aprendendo a ser capaz de ficar alegre a mais, no meio da alegria, e inda mais alegre ainda no meio da tristeza!”

A passagem acima foi escrita por João Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas. Um trecho dela, em negrito, foi citado por Dilma Rousseff durante sessão de defesa em que ela respondeu a senadores. Enquanto ela citava o mestre, nem precisamos dizer que a acusação se baseou na filosofia de Kim Katinguelê.

No dia 31 de agosto de 2016, na hora do almoço, a democracia do país sofreu mais uma indigestão: sessenta e um senadores da República Federativa do Brasil consolidaram o golpe parlamentar, que teve como vítima a presidenta Dilma, acusada de um crime de responsabilidade do mundo das fantasias.

Continuar lendo

Um país derrotado

Tudo está consumado.

Dilma Rousseff foi crucificada. Uma presidenta eleita por 54.501.118 brasileiros está deposta de seu cargo após um processo circense no Senado brasileiro.

Para que se cumpram as escrituras, é necessário que Dilma venha a público e diga: tenho sede – sede de justiça. Porque é a justiça que os inocentes procuram.

Continuar lendo