#Portfolio – Estado de São Paulo tem queda em todos os índices criminais em abril

Com queda de homicídios, a taxa por 100 mil habitantes é a mais baixa da história: 9,65. Número de prisões aumentou e crimes patrimoniais recuaram, assim como os latrocínios

O Estado de São Paulo apresentou queda em todos os principais indicadores de criminalidade, entre eles os roubos e furtos em geral e de veículos, no mês de abril e durante o primeiro quadrimestre do ano. Os quatro índices juntos tiveram redução de 9,03% nos quatro primeiros meses de 2015.

Os latrocínios e os homicídios dolosos também diminuíram, com 15% e 9,11% casos a menos no período, respectivamente. Nos últimos 12 meses, a taxa de mortes intencionais caiu para 9,65 ocorrências a cada 100 mil habitantes – até hoje, o patamar mais baixo atingido pelo Estado.

Continuar lendo

Redução não é solução

É um erro reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos, como querem os conservadores do Congresso Nacional. Até a Igreja Católica no país, por meio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) já se posicionou sobre o assunto e afirmou que “a proposta de redução da maioridade penal não soluciona o problema [da criminalidade]”.

Para a CNBB, assim como para todo ser humano com bom senso, a redução da maioridade penal penaliza ainda mais os adolescentes, sobretudo os pobres, negros e os moradores de periferias. O projeto é uma medida drástica que apenas contribuirá com a segregação das classes sociais e pouco diminuirá os indicadores criminais, como é possível perceber em todos os países que condenam adolescentes como se fossem adultos.

Continuar lendo

Morrer de vodca

A brincadeira do “quem bebe mais” em uma festa universitária matou um estudante de 23 anos, em Bauru, no final de fevereiro. O garoto teve coma alcoólico, mas não maturidade para pensar um pouco no que estava fazendo, afinal.

Continuar lendo

Haicai

Inspirado.
Inspirando seu perfume,
espirrei.

Continuar lendo

Intolerância

Doze mortos e diversos feridos. Esse foi o saldo do massacre que aconteceu na primeira semana de janeiro na sede do jornal Charlie Hebdo, em Paris, na França. Dois irmãos muçulmanos invadiram o prédio do periódico e dispararam as balas que estavam em seus fuzis AK-47, projetados por Mikhail Kalashnikov, na União Soviética, no período do pós-guerra.

Continuar lendo