Abrigo da melancolia


“Abandonar o paraíso para ficar com ela.” Eu estava relendo pela décima vez o livro “Amor além da vida”, de Richard Matheson.

“Estremeci e olhei à minha volta.

Ginger lambia minha outra mão.

Olhei-a, incrédulo. Ouvi, o que era para mim, o som mais bonito no universo: a voz de Ann dizendo meu nome.

É realmente você? ela murmurou.

Sim, Ann. Sou eu – Eu a vi por meio de uma cascata brilhante de lágrimas, com as mãos pra cima, cintura solta, dá meia volta, dança kuduro. Não se canse agora, começou a festa; mexa a cabeça e dança kuduro.

No micro-ônibus, uma moça repousou a poupança Bamerindus ao meu lado. Ela e seu celular. Ela, seu celular e seu fone de ouvido. O fone de ouvido que ela resolveu desconectar. Ao meu lado. Num dia frio, sem um bom lugar para ler um livro. O impulso era de gritar “e o pensamento lá em você, desliga essa coisa, moça!”.

A música acabou. Paz no trânsito de uma quinta-feira, às sete da manhã. Reabri aquele que é um de meus livros preferidos, apesar da simplicidade da escrita.

Agora você não pode partir – ela disse.

Isso não importa – eu ri e chorei ao mesmo tempo. – Isso não importa, Ann. O paraíso não seria o paraíso sem você, então o jeito é dar uma fugidinha com você, o jeito é dar uma fugidinha com você.”

Ônibus lotado. E eu como ícone do martírio, num assento qualquer – longe da porta de fuga. Longe do ar. Longe da vida. Longe da tolerância zero. O Bentinho – não o do Machado, mas o do Vaticano – deveria me canonizar.

É proibido o uso de aparelhos sonoros. Que emitem sons. Sons organizados. Aquilo que a moça ouvia não era som. Era barulho. Ao menos, ela não cantava.

Eu, pouco após o nascer do Sol, acometido pelo que o dicionário define como distúrbio emocional caracterizado por um estado de abatimento mental, pela sensação de impotência, pelo sentimento de que a vida não possui sentido, podendo, se não tratado, conduzir ao suicídio. (Entendeu o título agora?)

A tristeza de um trajeto de quinze eternos minutos abrigada no som do vento, quando se conseguia.

No final de tudo, quando a moça desembarcou – antes do último ponto da linha, no metrô –, a torcida corintiana e flamenguista comemorou com um vibrante “ufa” e um “aê!”.

Menos eu.

A concentração perdida numa manhã de outono não seria mais encontrada. Nem com os olhos por sobre a neblina que navegava sobre o rio Tietê.

“Minhas últimas palavras, sussurradas para ela.

Que o inferno seja nosso paraíso.”

Deveria ter dito isso para a moça. Ela ficaria contente e talvez usasse o fone de ouvido. Eu ficaria ainda mais, porque sei que inferno ou paraíso devem ter espaço suficiente para que eu possa me manter distante dela.

Amém.

Anúncios

Um comentário em “Abrigo da melancolia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s