Reclamando aqui


Imagem 012Como bom paulistano desgraçado que sou, todo santo (ou profano) dia, passo pelo centro central da cidade, na Sé. Dou um tapa no marco zero, e olho para a catedral, cuja construção começou em 1913 e só terminou em 1954.

Outro dia, porém, como todo bom paulistano desgraçado e observador, cruzei os braços, olhei para a entrada da igreja, levantei o braço esquerdo e apoiei o queixo entre o polegar e o dedo médio. A bochecha esquerda era tocada pelo dedo indicador. Levantei a sobrancelha esquerda (maldita canhotice) e tombei levemente a cabeça (agora sim) para a direita.

Aí, então, pensei com meus pascarigunduns adonirânicos: ma che diabos o Cristo Redentor está fazendo na catedral?

Sim, senhor paulistano desleixado que não passeia pela cidade; sim, senhor paulistano desatento que não observou essa bizarrice: botaram uma réplica do Jesus carioca na igreja da cidade de São Paulo. Era só o que me faltava!

Não sei o Papa, mas isso deveria ser digno de punição, talvez até excomunhão. E não fique me perguntando as razões.

Trazer o Cristo Redentor do Rio para São Paulo, ainda que em réplica, é como trazer o Maradona para desfilar em Brasília no dia da independência.

Não é à toa que, nós, com a jocosidade de aroma tietístico, chamamos a cariocada (ou a fluminenseada) de Argentina Brasileira.

Talvez essa réplica esteja na entrada da Sé em razão da Jornada Mundial da Juventude, que acontecerá no Rio, no meio deste ano. Uma semana antes do evento, que terá a presença de Bento XVI, pré-eventos serão realizados aqui na pauliceia.

Mas mesmo assim, poxa vida. Paulistano que é paulistano gosta mesmo é de ver a estátua do Borba Gato, aquele bandeirante que as gerações atuais sequer sabem que é. A estátua foi inaugurada em 1963.

O objetivo deste texto? Nenhum, além de fazer aquilo que os paulistanos mais gostam de fazer e, assim, fazem de melhor: reclamar.

Reclamar da vida, do tempo (falar disso no elevador é regra), da chuva, do sol, do frio, do pôr do sol, do vento, da neblina. Tudo bem que a cidade passa por todos esses estados meteorológicos em um único dia.

Reclamar é dom do paulistano. E, ao menos isso, eu honro neste aniversário da cidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s