O lado humano do homem que dirige o IML de São Paulo


O Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo tem como diretor, desde o final de fevereiro, o médico legista Ricardo Kirche Cristofi, que completa 40 anos de experiência em medicina neste ano.

À reportagem do Portal da da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Kirche contou um pouco sobre sua trajetória profissional e suas aspirações à frente do IML. Confira.

Kirche nasceu a apenas 13 km de São Paulo, na cidade metropolitana de São Caetano do Sul, em 1949 (completa 64 anos em julho). Nunca pensou em trabalhar em outra profissão que não a de médico.

É casado e tem três filhos, nenhum na mesma área de trabalho, porque “eles me acham meio louco”, brinca. A família, porém, é quem o incentiva a continuar fazendo o que faz há 29 anos na medicina legal.

DSC_1189

No escritório

Depois de andar por um corredor, ao longo do qual estão 18 portas – nove de cada lado, e entrar na última, que fica na terceira e última parede (fechando o corredor), finalmente, entra em seu gabinete, senta-se numa poltrona e conta: “Eu sempre brincava com vidros vazios de remédios”.

Seus olhos escuramente esverdeados movem-se curiosamente pela sala e param com carinho diante do quadro para o qual estão de frente: uma fotografia emoldurada do primeiro diretor do IML de SP, datada de 1908. Kirche faz uma pausa ligeiramente dramática e desabafa: “Nem me lembro, afinal, se eu tinha outros brinquedos além desses [os vidros vazios de remédios]”.

Alguns de seus parentes eram médicos – o mais próximo era um tio. Pela profissão, afinal, se decidiu quando ingressou no ensino científico (hoje, unificado com as ciências humanas e sociais no ensino médio).

Ricardo se formou na Universidade de São Paulo (USP), em 1973, e se especializou em cirurgia pediátrica. “Quando eu trabalhava com necropsias no IML, o que mais mexia comigo era examinar crianças, eu me emocionava na hora”, revelou, com os olhos cheios de lágrimas e a voz em falsete.

Neste momento, o então superintendente da Polícia Técnico-Científica (SPTC), Paulo Argarate Vasques (ver atualização) – também médico legista – pede licença e entra na sala com duas delegadas da Polícia Civil que precisavam de informações sobre os resultados da necropsia. De uma criança. “Não foi o que eu disse?”, dispara Kirche.

Após a saída dos visitantes e uma demonstração de enorme conhecimento sobre a doutrina da medicina legal, Kirche ressalta: “Essa integração entre nós, entre as polícias, é muito importante. O trabalho fica muito melhor”.

A união das polícias tem sido uma bandeira da Secretaria da Segurança Pública (SSP) e do Governo do Estado. Fernando Grella Vieira, o secretário, mantém reuniões constantes com os comandantes das três polícias estuaduais: Científica, Civil e Militar.

Professor

Kirche também foi professor. Ele acha que a transmissão de conhecimento é essencial para formar um “indivíduo excelente”, já que aprendeu “apanhando” na atuação como médico. “Eu gosto disso porque sei que, com a minha ajuda, pessoas podem começar num nível muito acima do que aquele em que comecei”.

Na diretoria técnica do Serviço do Núcleo de Toxicologia Forense, na Divisão do Centro de Exames, Análises e Pesquisas e do Centro de Perícias do IML, e em tudo que trabalhou, sempre teve contato com muitas pessoas e essa realidade contribuiu para que agregasse conhecimento.

“Só sei que nada sei”, disse, citando o filósofo grego Sócrates. “Por mais que eu tenha muito conhecimento sobre a área, todo dia aprendo coisas novas”, afirmou, se referindo aos profissionais mais velhos e, principalmente, aos novos.

O atual diretor do IML foi professor de medicina legal na Escola de Formação de Soldados da Polícia Militar e no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CEFAP) – onde também lecionou toxicologia – e na Faculdade de Direto da Universidade Anhanguera.

Além de todas essas funções, Ricardo Kirche é delegado do Conselho Regional de Medicina (CRM) – isso o torna responsável pelas sindicâncias sobre a conduta médica – e conselheiro da Associação dos Médicos Legistas do Estado de São Paulo.

Medicina legal

Em 1984, Ricardo Kirche decidiu ingressar na medicina legal porque achava “bonito” o fato da Medicina ajudar a Justiça a encontrar a verdade dos fatos. Ideia traduzida em uma única frase, estampada numa placa no prédio da SPTC: “A Ciência pela Justiça”.

Sobre a dificuldade que as pessoas têm em entender por que razão alguém escolhe trabalhar com mortos, dado o envolvimento físico e emocional, o diretor explica que desde a faculdade os estudantes têm contato com corpos, nas aulas de anatomia, então, a experiência já é criada desde o início.

Na universidade, entretanto, os alunos acompanham um doente e, quando ele morre, obrigatoriamente têm que participar da necropsia. É difícil, porque, muitas vezes, um vínculo de amizade é criado.

De acordo com Kirche, “todo mundo se esquece do empenho da gente”. “Ninguém pensa que os funcionários do IML têm sentimentos, família e sentem na pele a dor de todos que passam pelos serviços oferecidos”, desabafa novamente com os olhos marejados, comprovando suas próprias palavras.

Atualização

Segundo a SSP, o médico legista Paulo Argarate Vasques assumiu na última quinta-feira (11) a função de assessor especial na Secretaria, para auxiliar projetos de integração entre as polícias. O cargo de superintendente da Polícia Técnico-Científica será ocupado pela perita criminal Norma Sueli Bonaccorso, que até a última quarta-feira era a diretora do Instituto de Criminalística (IC).

Anúncios

Um comentário em “O lado humano do homem que dirige o IML de São Paulo

  1. Estudo atualmente aux de necrópsia minha escola ñ nos permite estágios isso realmente é legal ??
    Eu ñ concordo pq acho q são poucos q realmente iriam ate o fim pois mts fazem pir impulso e depois na prática ñ conseguem com estágio saberiamos se somos aptos ou ñ além do mais td se aprende na prática e ñ somente com teorias .obrigada

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s