Suprema arrogância

“Eu fui estudante e eu sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não é, não?”, disse rindo a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, Carminha para os íntimos, ao tomar posse da presidência do Supremo Tribunal Federal.

Ela havia sido questionada pelo colega que transmita o cargo, Ricardo Lewandowski, se ela seria uma presidente ou uma presidenta. Isso aconteceu em 10 de agosto de 2016 e demonstrou que a suprema senhora precisa estudar mais seu idioma nativo.

Continuar lendo